A RELIGIÃO UNIVERSAL E AS RELIGIÕES HUMANAS

A RELIGIÃO UNIVERSAL E AS RELIGIÕES HUMANAS


OBJETIVO

Esclarecer a diferença entre o sentimento religioso e as práticas e crenças religiosas, evidenciando que as religiões deveriam ser meios de espiritualização dos seres humanos e não um fim em si mesmas.

Evidenciar a verdadeira religião divina e demonstrar que as religiões estabelecidas são obra de homens que, devido às suas imperfeições humanas, acreditam que sua crença é melhor que a dos outros e, com isso, acabam por afastar os homens entre si.

RESUMO DO CONTEÚDO ABORDADO

Do latim “religio”, a palavra religião significa “louvor e reverência aos deuses”, assumindo também o significado “religar” a partir do cristianismo católico.

Os homens são espíritos encarnados e neles já existe inato o sentimento religioso como um vínculo divino entre a criatura e o Criador. O sentimento religioso, portanto, é comum a todos os seres e raças humanas e permanece como manifestação espontânea, inerente à criatura humana e independente de qualquer fórmula ou organização exterior. A necessidade de intercâmbio com uma divindade superior foi sempre objeto de cogitações dos seres humanos. É manifestação universal do sentimento divino, que vivifica e liga a criatura ao Onipotente.

O sentimento religioso nada tem a ver com a crença ou o culto do indivíduo, pois a religião não é propriamente de cultos e cerimônias em templos e igrejas, nem mesmo faz qualquer diferenciação entre o “mundo sagrado” e o “mundo profano”, pois trata-se de um sentimento ou estado de espírito extraterreno.

Na sua manifestação natural é essência divina vibrando incessantemente na intimidade do homem. Existe e permanece latente, seja qual for a atividade, o pensamento ou a atitude humana.

O culto, no entanto, é um modo peculiar da criatura expressar esse sentimento religioso, inato, mediante fórmulas, símbolos e ritos diversos, como expressão de sua crença à luz da consciência física.

O homem esclarecido sabe que religião é rótulo e exterioridade. Religiosidade é prática, é relacionamento com o Deus interior. A criatura pode ser extremamente religiosa e não frequentar templos, seguir cultos, missas, procissões e tampouco seguir regras de sacerdotes.

São milhares de religiões, fundadas por homens seguidores de diversos mestres. Cada qual com cultos, cerimoniais, pompas, hinos e rezas, muitos sacerdotes, todos se consideram intermediários entre as pessoas e Deus, com efeitos puramente exteriores.

As religiões humanas são, sem exceção, obra dos homens, portanto, com pensamentos e metas distanciadas do verdadeiro caminho. O caminho oculto para o Deus que habita em nós só se abre quando a criatura desperta a consciência e se conscientiza das leis regentes e das virtudes do amor e sabedoria. O espírito precisa aprender a reconhecer-se.

Igrejas, templos, sinagogas, centros espíritas e tendas umbandistas vivem repletos de criaturas ainda tão escravizadas à liturgia e à adoração inútil das formas terrenas que, em lugar de tentarem o seu despertamento mental para a verdadeira vida do espírito eterno, transformam suas crenças habituais numa dose de ópio com que procuram esquecer suas complicações cotidianas, ou então, na solução precária dos seus caprichos e interesses.

O Espiritismo, uma doutrina sem cultos, é acima de tudo um processo libertador de consciências, a fim de que a visão do homem alcance horizontes mais altos. É uma escola de libertação interior, um caminho para o conhecimento mais amplo da Verdade Espiritual. Aboliu rituais, roupagens, superstições, crendices, fantasias, mistérios, dogmas, sacerdócio, compromissos religiosos e idolatrias, substituindo tudo pelos ensinamentos da origem, destino e leis que regulam a evolução do Espírito pela eternidade. Transforma atos religiosos em religiosidade permanente. Sua missão é consolar, instruir e iluminar.

O sentido íntimo da Religião Universal é o amor, a caridade, a bondade, a filantropia, a humildade, a tolerância e a solidariedade que são estados superiores de espíritos idênticos em qualquer latitude geográfica do orbe, quando expressos por qualquer raça e por indivíduos pertencentes a qualquer doutrina.

Tais virtudes existem latentes em todos os homens, porque descendem do mesmo Deus, e isto sempre lhes tem sido ensinado por todos os legisladores interessados na saúde espiritual da humanidade. Se o ser humano é bom, nobre, gentil, amoroso, fraterno e piedoso, pouco importa o rótulo que ele sustenta ou o sistema a que se filia.

Muita Paz!

Referências bibliográficas:

  1. A Vida Humana e o Espírito Imortal – Ramatis

  2. O Sublime Peregrino – Ramatis

#Hercílio #Ramatis #ReligiãoUniversal #ReligiãoHumana #Religiosidade #Espiritualidade

3,349 visualizações

Sob a Égide de Jesus, Kardec e Ramatis

www.ramatis.com.br

Sede: Rua José Higino, nº 176 - Tijuca Rio de Janeiro - RJ

CEP.: 20510-420 CNPJ 33.991.423/0001-70

 Aviso Legal | Política de PrivacidadeInspirado por MCF.'.